Mais notícias

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

Comércio sexual infantil do Brasil sobe em 2014 a Copa do Mundo se aproxima

Comércio sexual infantil do Brasil sobe em 2014 a Copa do Mundo se aproxima

Criança comercial do Brasil sexo: Jessica, 16, que foi preso durante uma batida em um clube de sexo, mostra sua tatuagem em um abrigo para meninas em Fortaleza.
A pequena figura em minúsculos calções brancos e um top sem alças rosa se ​​inclina contra uma cerca de metal do lado de fora de uma escola na cidade de Fortaleza, capital do estado do Ceará, nordeste do Brasil .
Ela tem lábios revestidos de brilho, e sua cabeça amarelo, segurando o cabelo comprido, brilha à luz do abajur junto Avenida Juscelino Kubitschek, que liga a cidade à arena Castelão, uma das sedes para aCopa do Mundo de 2014 . Um carro puxa para cima. A menina sobe dentro
Esta é uma cena comum em todo o estádio, em Fortaleza, considerado Brasil da criança prostituição de capital e um ímã para o sexo turismo, de acordo com autoridades locais.
Travestis também trabalham nas calçadas empoeiradas desta via recém-renovado, mas as meninas estão em maior demanda. "Assim que atingiu a avenida estão pegou", diz Antônia Lima Sousa, um procurador da República que trabalha em crianças direitos das em Fortaleza. "É realmente uma questão de minutos. Você vai encontrá-los em torno da cidade durante o dia também."
Apesar de mais de uma década de governo compromete-se a erradicar a prostituição infantil, o número de profissionais do sexo da criança no Brasil era de cerca de meio milhão em 2012, segundo o Fórum Nacional de Prevenção do Trabalho Infantil, uma organização não-governamental.
Isso é um aumento de cinco vezes desde 2001, quando 100 mil crianças trabalhavam no comércio do sexo, de acordo com estimativas do Unicef, a caridade das crianças das Nações Unidas.
E com a Copa do Mundo se aproximando, em junho, funcionários e ativistas temem uma explosão na prostituição infantil, como profissionais do sexo migram para as grandes cidades dos estados interiores e cafetões recrutar mais jovens para atender à demanda crescente de fãs de futebol locais e estrangeiros.
"Estamos preocupados exploração sexual vai aumentar nas cidades-sede e em torno deles", diz Joseleno Vieira dos Santos, que coordena um programa nacional de combate à exploração sexual de crianças, na Secretaria de Direitos Humanos do Brasil. "Nós estamos tentando coordenar os esforços, tanto quanto possível com os governos estaduais e municipais para entender a extensão do problema."
Mas as autoridades têm uma batalha em suas mãos, como profissionais do sexo se preparam para lucrar com um comércio pára-choques.
A Associação Mineira Estado de Prostitutas, que representa os trabalhadores do sexo em um dos maiores estados do Brasil, está até oferecendo aulas gratuitas de inglês para prostitutas na capital Belo Horizonte, outra cidade-sede da Copa do Mundo.
"Haverá muito mais pessoas que circulam nesta área durante os jogos, com certeza, ea cidade estará cheia de turistas", diz Giovana, 19, um travesti que trabalha uma esquina perto do estádio Castelão. "Eu sei que vai haver mais trabalho para todos - mulheres, meninas, todo mundo".
CHORUDAS
O torneio deve atrair 600 mil visitantes estrangeiros para o Brasil, que vai gastar cerca de 25 bilhões de reais (R $ 6,5 bilhões), enquanto viaja por todo o país, o Instituto Brasileiro de Turismo, Embratur, diz.
O campeonato pode injetar 113bn reais na economia em 2014, a Fifa disse, citando um relatório da Ernst & Young.
O governo do Brasil terá gasto 33 bilhões de reais em estádios, transporte e outras infra-estruturas no momento em que o torneio começa, assim como 6 milhões de libras em publicidade. Em contrapartida, muito pouco está sendo gasto na luta contra a exploração sexual de menores, os ativistas dizem.
A Secretaria de Direitos Humanos reservou 8m de reais para as cidades-sede para configurar projetos de combate à prostituição infantil, mas nem todas as cidades têm programas para absorver os fundos, diz Santos.
Seu departamento está finalizando uma revisão de prostituição infantil em locais-chave e, em seguida, decidir que medidas tomar. Mas todos os programas só vai arranhar a superfície.
"Nós percebemos que estamos apenas tocando a ponta do iceberg com essas ações para a Copa do Mundo, mas esperamos capacitar e implementar programas mais duradouros no futuro", diz Santos.
Além Secretaria de Direitos Humanos, o governo não pode fornecer dados precisos sobre os gastos totais para combater a prostituição infantil, mas ativistas dizem alguns esquemas foram fechados. Eles argumentam que o governo não está fazendo o suficiente para resolver o problema.
"Este assunto não é realmente parte da agenda do governo e não vemos a disposição de unir esforços ou aumentar os recursos para enfrentar a exploração sexual de crianças", diz Denise Cesário, gerente executiva da Fundação Abrinq, um parceiro local da Save the Children International.
A atração de Fortaleza
O turismo sexual ocorre em todo o Brasil, mas Fortaleza - um dos principais destinos turísticos do Nordeste, com praias de areia branca e cerca de 300 dias de sol - é o centro principal da indústria.
A cultura do machismo, combinado com a pobreza extrema e uso de drogas, criou o ambiente perfeito para a exploração sexual, dizem os trabalhadores sociais como Cecília dos Santos Góis, que trabalha para Cedeca, caridade dos direitos da criança.
"As mulheres no Nordeste têm sido tradicionalmente tratadas como cidadãos de segunda classe, como objetos, mesmo", diz ela. "Muitos pais vêem suas filhas como fonte de renda e que é uma atitude cultural que é difícil de mudar."
Mais telefonemas são feitos a partir de Fortaleza para um número gratuito em todo o país para denunciar a exploração sexual de crianças do que de qualquer outra cidade brasileira em uma base per capita, dizem especialistas.
Muitos dos trabalhadores do sexo jovens de Fortaleza ver a prostituição como uma forma de escapar suas circunstâncias. Mas, para 16 anos de idade, Jessica, uma morena alta, o seu plano de fuga pousou-a em apuros.
Ela começou o trabalho sexual com clientes locais, ganhando cerca de US $ 18 (£ 11) a noite, antes de se formar a boates maiores e grupos de turistas estrangeiros para cerca de US $ 90 por noite.
A polícia prendeu em setembro em um ataque a um clube na praia de Iracema, um bairro lotado repleto de animados restaurantes, hotéis e bares.
Levaram-na para um dos quatro abrigos para prostitutas menores de idade, uma casa de dois andares discreto em um bairro de classe baixa, acessível apenas através de um portão de ferro estreita observava o tempo todo por seguranças. Ela está à espera de um juiz para decidir se ela pode voltar para casa para sua mãe.
À espera de um príncipe
Sentado no pequeno quarto que ela divide com três meninas mais jovens, Jessica diz que um de seus clientes regulares, um espanhol, prometeu levá-la para a Europa. "Eu disse a ele que eu tinha 18 anos e eu estava ficando meu passaporte", diz ela, colocando um top cor de arco-íris em calças tropical-impressão verde e amarelo. "Eu paguei 500 reais para uma identidade falsa e estava guardando dinheiro para comprar um passaporte falso. Mas no final eu estava com medo de ir."
Leonora Albuquerque, um dos coordenadores do abrigo, conta a história de Jessica é típico. "Como tantas meninas que entram em esta vida, Jessica tem fantasias que ela vai encontrar seu príncipe encantado - um cliente estrangeiro que vai se apaixonar por ela - e ele vai levá-la para a Europa e comprar suas roupas extravagantes, perfumes, jóias ", diz ela.
Os proxenetas e os clientes raramente são punidos e quando os promotores conseguem construir um caso contra eles, os sobreviventes muitas vezes mudar seus testemunhos e os casos são jogados fora, diz Francisco Carlos Pereira de Andrade, um promotor de justiça penal, que é especializada em exploração infantil.
Dos 2.000 casos antes de seu departamento, que lida com a violência sexual contra as crianças, apenas cerca de 20 envolvem a prostituição infantil.
O rosto do turismo sexual em Fortaleza também está mudando, tornando-o mais difícil de capturar criminosos, diz Sousa.
Em vez de trabalhar nas ruas, grupos organizados de cafetões, gerentes de hotéis e taxistas recrutar jovens. Clientes estrangeiros encomendar as prostitutas menores de idade, antes de chegar em Fortaleza e eles são entregues diretamente para os seus hotéis, Sousa acrescenta.
Meninas no menu
Sexta à noite na praia de Iracema e um pequeno grupo de homens loiros alemães estão bebendo cerveja em mesas na calçada, acompanhado de perto por um segurança.
Seis profissionais do sexo de adultos estão por perto, alguns sentados com eles, balançando os cabelos de um lado para o outro. Mas os turistas têm outra coisa em sua mente.
"Eles estão à espera de um sinal para que eles saibam as meninas eles encomendados estão prontos", diz o assistente social Góis, em uma de suas rondas de vigilância de rotina dos centros de prostituição infantil."O bar está envolvido. Os taxistas que esperam no canto provavelmente estão envolvidos também. E alguns hotéis nas proximidades fazem parte desta rede."
Embora o turismo sexual internacional é destaque em Fortaleza, que representa apenas um terço de todos os casos de prostituição infantil relatados. Prostitutas com clientes brasileiros, do Ceará ou estados vizinhos, são muito mais comuns, dizem os promotores.
Esse foi o caso de Vanessa, que tinha 13 anos quando a polícia a pegou em outubro, não muito longe do estádio Castelão.
Ela deixou sua casa em um bairro pobre, quando ela tinha 10 anos, depois de seu padrasto começou a bater nela, ela diz. Ela viveu na maior parte nas ruas, indo para abrigos de vez em quando e passar noites com os clientes, alguns dos quais ela chama de amigos.
Suas bochechas rechonchudas, dentes brancos perfeitamente alinhados e olhos brilhantes tornam difícil acreditar que ela está passando por tratamento para abuso de cocaína e crack. "Eu quero estudar,. Que eu realmente gosto de matemática Mas às vezes eu só quero desaparecer e ir morar em Marte com os astronautas", ela ri.
No mês passado, Vanessa invadiu a sala de manutenção no abrigo, pegou uma escada e escalou o muro de 2,5 metros em torno do edifício, de acordo com Albuquerque, que trabalha no abrigo. Ela convenceu outras duas meninas, com idades entre 12 e 13, para voltar com ela para a área do estádio Castelão. Foi a quarta vez que ela havia escapado em menos de seis meses.
"É muito difícil convencer essas meninas para levar uma vida normal", acrescenta Albuquerque. "A maioria deles acha que o abuso ea venda de seus corpos é apenas um fato da vida."


Nenhum comentário:

Postar um comentário