Mais notícias

sábado, 20 de junho de 2015

Tráfico humano: a vida religiosa se faz presente nas periferias existenciais

Tráfico humano: a vida religiosa se faz presente nas periferias existenciais

Um dos desafios que todo cristão tem que enfrentar é se fazer presente no meio daqueles que a sociedade ignora, rejeita, tira proveito, explora... É o que o Papa Francisco chama de “periferias existenciais”, onde cada vez habitam mais pessoas. Entre aqueles que fazem parte dessas periferias estão aqueles que sofrem exploração sexual, quase sempre mulheres, muitas vezes minores de idade, que são submetidas a este tipo de abusos, com a aprovação de uma sociedade que se cala por medo, por falta de compromisso, por interesse... ou por muitos outros motivos que mostram a necessidade de que as coisas mudem.

Para tentar que a situação seja diferente, em 2006, a Confederação dos Religiosos Brasileiros (CRB), criou a “Rede um grito pela Vida”, com o objetivo de combater o tráfico de pessoas. Espalhada em quase todos os estados do país, está constituída por 250 religiosos e religiosas de diferentes congregações que se articulam em núcleos, tentando ser uma voz profética para a sociedade brasileira.

De fato, na sociedade falta essa consciência que faça possível esse crime da exploração sexual e do tráfico de pessoas, também para o comercio de órgãos ou o trabalho escravo ou em condições degradantes, onde são envolvidas muitas crianças dos chamados países do Sul.

Até em alguns setores da própria Igreja Católica, a rede encontra muitas vezes a falta de interesse para realizar esse trabalho de conscientização. É verdade que a Campanha da Fraternidade de 2014, que abordava esta temática, ajudou a ter maior consciência e a atenção para com estas pessoas tenha melhorado, mas sabendo que ainda tem um longo caminho para percorrer, como mostram as estatísticas em referencia a quem é atingido por esta lacra social.

A partir de um trabalho em parceria com diferentes organizações, a rede pretende prevenir este tipo de situações, realizando um trabalho de informação com adolescentes e jovens, que são as possíveis vítimas. Tudo isso a partir da reflexão e o estudo que ajude a entender as causas, instruindo as pessoas que possam ajudar no combate da exploraç4ao sexual e mobilizando a sociedade para ser cada vez mais sensível diante desta problemática. Alem disso, promovendo a elaboração de políticas públicas que possam ajudar no combate deste mercado do crime organizado.

O problema da exploração sexual é comum no Brasil todo, mas é acentuado nas regiões Norte e Nordeste. Um informe recente da Policia Rodoviaria Federal constata a existência de quase 2.000 pontos de exploração sexual nas margens das rodovias federais brasileiras, o que demonstra que o problema é conhecido, mesmo que as soluções não apareçam.

Um dos pontos onde este problema está presente é Manaus, como constatam Eurides Alves de Oliveira e Roselei Bertoldo, religiosas da Congregação do Imaculado Coração de Maria, que coordenam o núcleo da capital amazonense e de lá se fazem presentes em diferentes lugares. É aqui onde se concentram muitas das mulheres, boa parte delas menores, da Região Norte do país para depois ser levadas, a maioria das vezes enganadas, para fazer parte das redes de prostituição, tanto dentro quanto fora do país.

Os testemunhos que elas contam nos levam a descobrir a crueldade deste tipo de crimes. Situações arrepiantes, como a mãe que leva sua filha adolescente para ser explorada no porto de Manaus, reconhecendo em prantos que é o único jeito de poder comer e que faz isso porque ela, que sendo adolescente já era levada pela própria mãe, com trinta e poucos anos, já e considerada velha e é rejeitada pelos criminosos que participam deste tipo de sacanagens. ¿Como reagir diante destas situações? ¿Como ser presença de Deus no meio daqueles que sem nenhuma dúvida são os últimos dos últimos?

Do mesmo modo, contam a situação das mulheres que são levadas nos garimpos no Suriname, dizendo que vai ser cozinheiras, e chegando lá se tornam escravas sexuais dos trabalhadores, com poucas possibilidades de fugir de um lugar aonde chegaram após dias ou semanas de viagens em caminhos que nem conhecem e sem dinheiro no bolso. A mesma coisa daquelas que são enviadas para Europa e caem nas redes de prostituição e se tornam escravas sexuais.

O último caso veio à luz no sábado 6 de junho. Com a colaboração das associações italianas “Il Mantello” e “Liberaziones e Speranza”, que previamente tinham sido acionadas pela “Rede um Grito pela Vida”, foi libertada uma jovem de 20 anos, que tinha saído de Rio Branco, capital do Acre, para trabalhar como empregada doméstica na casa de uma família italiana, com a promessa de receber um salário muito acima do que poderia ganhar no Brasil. Chegando lá se tornou escrava sexual. Só um número a mais numa estatística que permanece por muito tempo.

Ou as adolescentes e jovens que, sem possibilidade de estudar nas comunidades do interior onde moram, são acolhidas por familiares ou amigos da família na cidade, para se tornar empregadas domésticas sem salário e satisfazer os desejos sexuais dos homens da casa.

Mudar as coisas não é fácil, pois o povo tem medo de denunciar estas situações que são conhecidas por todos. Tem muito “peixe grande” implicado e falar pode se pagar com a vida. Empresarios, políticos, representantes dos diferentes poderes fazem parte deste esquema criminal, que ameaça abertamente a quem tem coragem de denunciar. Assim aconteceu com Dom Azcona, bispo da Prelazia do Marajó, e com muitos outros que se encontram na mesma situação, ameaçado de morte desde há vários anos, mas que renunciando à proteção policial tem se tornado um verdadeiro profeta da luta na defesa dos direitos sociais e da vida do seu povo, a partir da fé e a esperança em que as coisas possam mudar.

O clamor de tantas pessoas, sobretudo mulheres, adolescentes, meninas, faz que a vida religiosa queira ser voz profética no meio daquelas que indefesas imploram vida e dignidade. Uma presença que hoje se faz precisa para continuar sendo presença do Amor de Deus nas periferias.

Luis Miguel Modino
Versão em espanhol publicada em:

http://blogs.periodistadigital.com/luis-miguel-modino.php/2015/06/09/trata-de-personas-la-vida-religiosa-se-h

Nenhum comentário:

Postar um comentário