Mais notícias

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

Rede de pedofilia no Estado do Amazonas.

Nestas últimas semana o Estado do Amazonas tem sido manchete em rede nacional, pela vergonha dos tantos crimes impunes no estado contra crianças e adolescentes.
A Sociedade tem se mobilizado e está pressionando a justiça para que culpabilize e puna os responsáveis por tantos crimes cometidos contra crianças e adolescentes. 
No dia 06.02.2014 foi realizado um ato público na Assembleia Legislativa do Amazonas, solicitando que se faça justiça e que haja punição a tantos crimes com relação as autoridades de Coari e as tantas outras no Estado do Amazonas.


Segue uma matéria vinculada no jornal a critica, dando nomes a algumas autoridades pedófilas do Estado.
Vinte acusados de exploração sexual de menores de idade se tornaram réus no processo que investiga a atuação de uma rede de exploração sexual infanto-juvenil em Manaus. Nesta quarta-feira (28), a denúncia do Ministério Público do Amazonas (MPE-AM) contra o grupo de acusados foi aceita pelos desembargadores do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ-AM).
Entre os réus da ação penal estão o deputado estadual Fausto Souza (PSD), o cônsul honorário da Holanda, Vitório Nyenhuis, o empresário Waldery Areosa Ferreira, ex-proprietário do Centro Universitário do Norte (Uninorte) e Waldery Areosa Júnior. Outros empresários e o ex-prefeito de Jutaí Asclepíades da Costa de Souza estão entre os réus. O processo tramita em segredo de Justiça.
O esquema de exploração sexual infanto-juvenil foi desmontado pela operação “Estocolmo” da Polícia Civil, que teve as investigações iniciadas em maio de 2012, após denúncia de uma parente de uma das adolescentes aliciadas. A operação foi deflagrada no dia 23 de novembro do mesmo ano, quando a polícia cumpriu mandados de prisão e de busca e apreensão. Na sessão de ontem, após três horas e meia de reunião a portas fechadas, os 12 desembargadores aptos a votar manifestaram-se a favor do recebimento da denúncia.
O relator do processo, desembargador Rafael de Araújo Romano, disse que o julgamento dos acusados deve ocorrer até o fim do mês de junho deste ano. “Agora, com a instrução do processo, vamos intimar todas as pessoas envolvidas, as testemunhas e acho que até no fim deste semestre encerramos esse processo”, declarou, ontem. “Na próxima semana, já vou chamar o pessoal para ouvir e vamos terminar com a maior celeridade possível esse processo”, afirmou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário