Mais notícias

domingo, 17 de julho de 2016

Quase 10 anos de história - Rede na luta contra o Tráfico de Pessoas



Em março de 2017, a Rede Um Grito pela Vida completará 10 anos de história  e compromisso no Enfrentamento ao tráfico de pessoas.

Uma história, um caminho  um de  possibilidades, desafios e esperanças para  recordar, celebrar e projetar...


Diante da Rede da Maldade e da Morte, surge a Rede do bem - “Um Grito pela Vida”. Começou pequena como semente de mostarda, mas está crescendo, criando força e influência no Brasil e no mundo. A rede da maldade que promove o tráfico  se organiza a partir do desejo de lucro e de prazer. A rede “Um Grito pela Vida” se organiza entre as Congregações religiosas com leigos/as e outras Organizações do bem, a partir da fé em Deus e do amor à vida”. (cf. Carlos Mersters). 



Para recordar!
Em março de 2007, um grupo de 28 religiosas de 20 Congregações, vindas de diversas regiões do País, concluíram o curso de formação sobre tráfico de pessoas, organizado pela Conferência dos Religiosos do Brasil- CRB, por solicitação da UISG, União Internacional das Superioras Gerais, que em sua Plenária Internacional, no ano 2000 havia assumido o compromisso mobilizar as Conferências e Congregações a atuarem no enfrentamento ao tráfico de pessoas, em particular contra o tráfico de mulheres. Indignadas e sensibilizadas com a crueldade, amplitude e gravidade da realidade do tráfico de pessoas no mundo e em nosso País, essas religiosas sentiram neste drama de milhares de pessoas um desafio-clamor, que agride a vida, e viola a dignidade de milhões de pessoas, sobretudo das mulheres e crianças.  Foi um apelo de Deus que precisava ser acolhido e enfrentado de forma conjunta. E para esta finalidade criaram a Rede um Grito pela Vida.
          
Assim nasceu  a  Rede um grito pela Vida, como uma pequena semente de missão em rede no enfrentamento ao tráfico de pessoas, plantada no chão dos nossos espaços de missão, de nossas Congregações e da Conferência dos Religiosos/as do Brasil. Semente  que ao longo destes 10 anos foi  regada com ‘muita reza e muita luta’, cresceu e se espalhou pelo Brasil como expressão   Evangélico-política de solidariedade e cidadania. Ganhamos visibilidade e força mística e profética de conscientização, articulação e mobilização em âmbito nacional e internacional.

“A história da Rede Um grito pela Vida, se confunde com o inquieto impulso de algumas Religiosas que contagiaram algumas Congregações. E, desde o primeiro “grito”, ninguém mais segurou esta causa. A cada encontro, a cada reflexão, a cada seminário, a rede cresce... a voz se levanta mais... as iniciativas se concretizam... os fios se ligam. Profecia!”[i]

Hoje, a Rede Um Grito pela Vida, está presente em todas as regiões do País, com 26 núcleos em 22 Estados e no distrito federal e conta mais 300 religiosas/os, de aproximadamente 70 congregações, muitos leigos/as integrantes dos núcleos e um grande leque de apoiadores/as e parceiros/as, no enfrentamento aos Trafico de Pessoas.

            Com o slogan/lema "Enfrentar o tráfico de pessoas é nosso compromisso!", a Rede um Grito pela Vida assume a missão de atuar na Prevenção, Atenção às Vítimas e Incidência Politica por meio de atividades de:

- Sensibilização e informação, priorizando os grupos em situação de vulnerabilidade, lideranças comunitárias, agentes de pastoral e outros;

- Organização de grupos de reflexão e estudo, aprofundando as causas e situações que o favorecem o tráfico de pessoas: questões de gênero, violência, modelo de desenvolvimento, grande construções e projetos, grandes eventos, hedonismo midiático, aumento da precariedade do trabalho, corrupção, impunidade, entre outras;

- Capacitação de multiplicadores/as, visando ampliar a ação de enfrentamento ao Tráfico de Pessoas, principalmente para fins de exploração sexual;

- Participação e mobilização social e política de incidência na definição e efetivação de politicas públicas de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas.

Integrada com as organizações e organismos eclesiais, sociais e políticos, motivada e inspirada pela força do Espírito de Deus, fundamentada na Palavra de Deus que é fonte de Vida e Liberdade, a Rede Um grito pela Vida, num movimento continuo de aprendizagem, determinação, ousadia e criatividade, tem feito ecoar, em mutirão, o seu Grito pela Vida, pelo fim do tráfico de pessoas e das práticas similares de violação dos direitos humanos, desvelando e denunciando os mecanismos de dominação e escravidão que criam e sustentam esta rede de morte.  

         DESTAQUES - ATIVIDADES DO TRIÊNIO 2013-2015 


1.      O amplo trabalho de sensibilização e formação de multiplicadores;
2.      A participação efetiva na preparação e realização da campanha da Fraternidade;
3.      A Campanha Jogue a favor da Vida durante a Copa;
4.      A produção de material (folders, camisetas, cartilhas, cartazes, revistas, jogo);
5.      A ampliação e fortalecimento dos núcleos;
6.      A adesão e compromisso dos leigos/as;
7.      As articulações por regiões;
8.      As denúncias e acompanhamento de casos;
9.      O trabalho nas fronteiras;
10.  Comunicação interativa - O uso das redes sociais;
11.  As articulações e parcerias;
12.  A inserção e incidência política nos espaços de políticas públicas;
13.  O crescimento na dinâmica da organização em Rede – diaconia compartilhada;
14.  O apoio institucional da CRB; 
15.  A participação no GT de enfrentamento ao tráfico Humano da CNBB;  
16.  A articulação Internacional em nível continental e mundial.

Neste ano de 2016 assumimos como  compromissos:

1.  Qualificar o processo Formativo das lideranças da Rede e de multiplicadores; 
2.  Priorizar  o trabalho  informativo e formativo com os adolescentes e jovens nas escolas e comunidades;
3.  A ampliação das redes e parcerias  e um expressivo trabalho de mobilização e incidência política frente ao Golpe político do país e em consequência os retrocessos nas políticas sociais e de Direitos Humanos;
4. A realização da II edição da campanha “Jogue a favor da Vida” como uma ação preventiva ao aumento da exploração sexual e do tráfico de pessoas durante as Olimpíadas. (está em curso);
5. Priorizar os  trabalhos nas fronteiras e o acompanhamento ao casos;
6. Intensificar a comunicação e a articulação (núcleos, regiões, nacional, continental e mundial).

 “No grito a dor e o pranto, no canto libertação”


O Grito da Rede é um Grito Operativo, ou seja, além de ser um Grito de indignação  e denúncia que rompe o silêncio social e dá visibilidade à realidade do tráfico de pessoas, abordando incansavelmente, nos mais diferentes espaços esta realidade e os inúmeros malefícios desta abominável mazela  na vida das pessoas traficadas, a Rede grita pelas mãos, na arte de tecer redes de vida e libertação, fomentar e desenvolver processos de cidadania articulada.

Sua logomarca são mãos abertas, de várias cores, dispostas de forma circular, prontas para agir coletivamente, se entrelaçar com outras mãos estendidas em compaixão samaritana e força profética no enfrentamento ao tráfico de pessoas. 

Com as mãos entrelaçadas e unidas na Intercongregacionalidade - comunhão de carismas, e na Interinstitucionalidade com múltiplas organizações afins, a Rede Um grito pela Vida permanece e se projeta para o futuro como um caminho de profecia para a VRC. Missão que se impõe como um aprendizado e desafio permanente à capacitação,  abertura às diferenças e posicionamentos firmes, claros e  coerentes. Postura místico-profética e ético-política, que deve fazer a diferença, evidenciando nossa Consagração/Missão pelo testemunho, conteúdo e relações pautadas nos valores do diálogo, da justiça, equidade e defesa dos direitos dos pobres, especialmente das vítimas em potencial ao tráfico humano: mulheres, crianças e adolescentes, juventudes, migrantes, indígenas, afrodescendentes e populações em situações de vulnerabilidades.
    

     Alguns desafios e apelos: 


  • A gravidade, abrangência e complexidade da realidade do Tráfico de pessoas;
  • Formação,pertença e envolvimento;
  • Articulação/comunicação;
  • Compromisso institucional das Congregações e das Conferências;
  • A identidade da Rede, com nova configuração que exige abertura, flexibilidade e criatividade;
  • Equilíbrio entre a leveza da rede e o Institucional;
  • Dinâmica da Rede – mudança de paradigma organizacional;
  • O Trabalho nas fronteiras;
  • Sustentabilidade.

Nesta trajetória de aprendizado e militância, fé e cidadania, oração e ação, ternura e ousadia, a missão da Rede Um Grito pela Vida e de forma mais ampla, a missão em rede  tem sido confirmada como um caminho de fidelidade dinâmica  e criativa ao Deus da Aliança e de retomada da radicalidade no seguimento de Jesus de Nazaré. No atual estágio da caminhada podemos perceber que  os desafios e esperanças se misturam num mosaico de diferentes peças e cores, que evidenciam horizontes, provocações e sinalizações para o presente/futuro de nossa missão nesta tessitura  de profecia em rede.

Ir. Eurides Alves de Oliveira
Coordenadora da Rede




[i] AMBRÓSIO, Mariam. Um grito pela vida. Publicações CRB 2013


Nenhum comentário:

Postar um comentário