Mais notícias

terça-feira, 25 de março de 2014

UMA EXPERIÊNCIA DE CRESCER NA LIBERDADE - Diocese de São Gabriel da Cachoeira, AM.

Relato da proposta da Paróquia. São Gabriel Arcanjo, catedral da Diocese de S. Gabriel da Cachoeira- AM.
Por Luis, pe.

Oscar Wilde em um de seus mais conhecidos poemas diz que existe um “amor que não ousa dizer o nome” (1876). Naquele contexto, não se ousava dizer uma série de coisas e tudo o que era dito, passava pelo crivo da moral e dos bons costumes.
 Lembrei-me disso quando nos sentamos enquanto Conselho de Pastoral Paroquial para preparar as ações relativas à CF 2014. Nesse grupo estavam os leigos e leigas que haviam participado do Curso proposto pela Ir. Roselei e o Pe. Alcimar (ambos de Manaus).
 Depois de feita uma série de ponderações uma das leigas disse: “padre, não tem nada que possamos fazer que não envolva denunciar?”. E uma outra logo emendou: “é que aqui, assim como em muitos lugares do Amazonas, o trabalho das pessoas estão ligados à administração pública e, quando se faz qualquer tipo de denúncia ou se toma algum tipo de partido, sempre sofrem conseqüências”.
                Para mim esse dado além de novo, me fazia repensar uma série de situações e de propor algo que pudesse ser fiel ao espírito da CF mas também, que desse um sentimento de proteção a essas pessoas.
                Foi aí que nos dispusemos a pensar em possíveis atividades, das quais seguem um breve relato para partilha com os demais sonhadores de um mundo novo...

ABERTURA E LANÇAMENTO DA CF:
Na sexta- feira seguinte ao início da quaresma, marcamos como ponto de encontro o Ginásio Municipal Arnaldo Coimbra, às 17h30. Foi feito convite nas missas e cada pastoral tratou de motivar seus membros para estar conosco nesse ato que seria o marco inicial da caminhada quaresmal.
Cada participante foi convidado a trazer uma vela e uma mordaça. A ideia era bastante simples e desafiadora: durante uma hora e meia. Os que viessem seriam distribuídos em 5 grupos que deveriam andar pela cidade com uma cruz marcada com um dos tipos de tráfico (pessoas, trabalho escravo, de órgãos, etc) e com a boca amordaçada e a vela acesa, apenas entregar um panfleto que pudesse, em poucas palavras, dizer a urgência do tema e a importância do mesmo.

Começamos nossa caminhada com 115 pessoas e aos poucos chegam mais pessoas.

Depois de mais de uma hora caminhando, o grupo escolhia um lugar para plantar a sua cruz, tirar as mordaças e rezar juntos.
Depois disso cada grupo se dirigia par a comunidade Boa Esperança para partilhar a caminhada com os demais e juntos, rezarmos a eucaristia. Os poucos íamos agregando mais pessoas. 

 VARAL DA REALIDADE:
  Também achamos que seria um bom momento para envolver as pastorais na busca de informações a respeito do tema e do exercício de passar adiante.
  No hall de entrada da Igreja Catedral fizemos um varal e dividimos por final de semana para  cada pastoral cuidar de expor nesse varal informações conseguidas a partir do material da CF 2014 e em outras fontes que pudessem orientar os fieis para o tema.
   Também aqui nos surpreendeu a criatividade das pastorais: fizeram pequenas peças de roupa e pregaram em cada uma delas as informações sob a alegação de que estava na hora de lavar a roupa suja...

DINÂMICA DA LITURGIA:
 Pensamos numa grande cela colocada num dos cantos do presbitério. Na quarta- feira de cinzas foi apresentado os tipos de tráfico que devemos denunciar e combater e posto do lado de fora da cela esses cartazes

Dentro estavam pássaros feitos de papel e em diferentes tamanhos com uma vela acesa que é posta a cada celebração.
Após a homilia, a pessoa que está dentro da cela sai de lá com um dos pássaros nas mãos e atravessa a igreja pelo corredor central enquanto o grupo de música entoa o refrão do Hino da CF 2014.
Na porta da igreja, junto ao varal da realidade, está uma cruz posta num grande galho seco. O pássaro é ali dependurado e a equipe de acolhida se responsabiliza de lembrar a quem chega ou sai, de que a liberdade dada em Cristo é um bem precioso, para todos.

Gratidão a comunidade de São Gabriel da Cachoeira, AM, pelo testemunho e coragem no rompimento do silencio de tantos crimes naquela região, principalmente a violação da vida de tantas meninas vítimas da exploração sexual.

2 comentários:

  1. Pe Luís, perfeita sua descrição ! enfrentar, transformar, promover mudanças no comportamento de quem está no seu redor, sempre foi e é seu objetivo. Para isso vc sabe usar como ninguém seus conhecimentos em teologia, filosofia, psicologia e arte...muita criatividade vc e sua equipe demonstraram.....e essa caminhada silenciosa, corajosa e depois orante que vcs fizeram certamente contribuirá para novas posturas diante de uma sociedade injusta que temos. Vc e sua equipe tenha a proteção dos Anjos do Senhor.

    ResponderExcluir
  2. Estamos em um mundo com tantas possibilidades de informação, mas ao mesmo tempo nos sentimos "amordaçados" pela pressão política e cultural. Da mesma forma nos sentimos acomodados em visualizar no "outro" o problema do Tráfico. De que forma podemos fazer ouvir nossas reivindicações ? De que forma podemos fazer as pessoas "abrirem os olhos" e enxergar o que ocorre tão nitidamente à nossa volta ? Parabéns Pe. Luis por suas atitudes tão marcantes e sob forma tão fácil em ser apreciada por todos. Forte abraço, Gil

    ResponderExcluir