Mais notícias

quarta-feira, 5 de março de 2014

MERCADORES DE CARNE HUMANA

Pe. Alfredo J. Goncalves, CS

A frase do título representa uma denúncia de Mons. João Batista Scalabrini, então bispo de Piacenza, norte da Itália, no final do século XIX e início do seculo XX. Scalabrini – denominado “pai e apóstolo dos migrantes” – referia-se aos intermediários gananciosos e sem piedade que, no fenômeno das grandes migrações históricas da época, traficavam com a abundante mão-de-obra dos emigrados europeus (especialmente italianos) para as Américas, a Austrália e a Nova Zelândia. Segundo historiadores da envergadura de Eric Hobsbawn e Peter Gay, entre 1820 e 1920, mais de 60 milhões de pessoas deixaram o velho continente com o objetovo de reconstruir a vida nas “terras novas” de além-mar. Vítimas da expulsão em massa do campo para a cidade, enquanto certa porcentagem se empregava na indústria nascente, boa parte não conseguia trabalho, tendo de cruzar os oceanos para fugir de um destino de miséria e fome na Europa rápida e recentemente urbanizada.
Entre o desemprego, a pobreza e a necessidade, por um lado, e o desafio de “far l’America”, por outro, interpunham-se os tais “mercadores de carne humana”. Mercadores, sim, porque gente sem coração e sem alma diante dos dramas humanos causados pelos efeitos da Revolução Industrial. Ao contrário, aproveitavam-se da condição e das esperanças dos emigranets que buscava um futuro melhor para a família, comercializando inescrupulosamente os seus sonhos de trabalho e pão, pátria e dignidade. Se é verdade que a mobilidade humana faz parte do direito de ir e vir, também é certo que muitas vezes tais deslocamentos intercontinentais tornavam-se forçados e compulsórios, devido ao êxodo rural em massa e as condições extremamente precárias nos países ou regiões de origem.
Passou-se mais de um século, porém a frase/denúncia de Scalabrini continua viva e atual, como uma chaga aberta em pleno século XXI. O tráfico de seres humanos para a exploração trabalhista ou sexual atualmente atinge milhões de pessoas no mundo inteiro, como mostram os debates em torno da Campanha da Fraternidade deste ano no, promovida pela Conferência Nacional dos bispos do Brasil (CNBB). Juntamente com o tráfico de armas e de drogas, constitui uma das fontes de maior rentabilidade da economia submersa do mundo globalizado. Verdadeira bomba atômica, oculta e letal, que silenciosamente fere, mutila e mata, deixando marcas irreparáveis nas vítimas que sobrevivem e em suas famílias. Os relatos de quem conseguiu escapar de tais “infernos humanos” não deixam margem a dúvidas!
Nos subterrâneos sombrios das relações internacionais (e às vezes em plena luz do dia), a rede mundial do crime organizado não poupa particularmente mulheres e crianças, quando o objetivo e a exploração ao máximo de sua energia. No fim da linha desse comércio ilegal e ilegítimo, grande parte dos sonhos se convertem em pesadelos. Como o continente africano nos tempos da escravidão, o Brasil hoje vem sendo um dos países que fornecem bom número de “trabalhadores e trabalhadoras” para essas transações criminosas. O texto-base da CF/2014 traça um quadro preocupante sobre os pontos nevrálgicos das rotas nacionais e internacionais, bem como da origem e destino das pessoas envolvidas.
As reflexões e orientações da CF/2014, iluminadas pela Palavra de Deus, nos colocam diante de um desafio que interpela a todos e a cada um em particular: o que fazer diante dessa situação? Três palavras poderiam resumir nossa solicitude pastoral, como exigência evangélica, e nossas possibilidades de ação social ou política: acolhida, denúncia e informação.
A acolhida constitui, digamos assim, o DNA não somente da Pastoral Migratória, mas da Pastoral Social de toda a ação evangelizadora. No caso dos tráfico de pessoas humanas, a atitude de acolhida requer uma sensibilidade especial diante das feridas profundas das vítimas, na maioria das vezes tão difíceis de serem cicatrizadas. Em nível pessoal ou familiar, eclesial ou social, impõe-se uma solidariedade incondicional para com aqueles e aquelas que sofreram tais abusos. Não cabem aqui a discriminação e o preconceito, nem o racismo e a xenofobia. Tampouco cabem limitações geográficas, eclesiais ou geopolíticas, uma vez que o próprio crime desrespeita fronteiras de qualquer espécie. Em tudo e por tudo, deve prevalecer a defesa do direito e da dignidade da pessoa humana – fundamento, fio condutor e coluna vertebral de toda a Doutrina Social da Igreja.
A denúncia, por sua vez, torna-se a chave para combater o tráfico nacional e internacional. Neste caso, porém, convém utizar de prudância: não se trata tanto uma denúncia em nível local e personalizado, a qual, embora corajosa e profética, pode acarretar perseguições desnecessárias. Ainda que em determinadas circunstâncias essa postura não possa ser evitada, o mais indicado segue sendo a denúncia em nível institucional, envolvendo movimentos e pastorais sociais, entidades, organizações não governamentais, o conjunto das Igrejas, setores dos governos, da Polícia Federal e do Ministério Público, bem como os organismos internacionais de defesa dos direitos humnos. Novamente aqui a ação dever ser ampla, conjunta e abrangente – isto é, sem fronteiras. Devido ao poder e aos meios inescrupulosos do crime organizado, a proteção das vítimas e das pessoas que defendem sua causa não pode ser desconsiderada, ao contrário, deve tornar-se uma preocupação constante.
Quanto a informação, esta se revela uma condition sine qua non, seja nos pólos e regiões de origem, seja nos lugares de destino. Números, fatos e rotas do crime organizado devem ser divulgadas amplamente entre as famílias, associações, escolas, comunidades, meios de comunicação e em toda a sociedade. A revolução informática em geral e Internet em particular podem reveler-se um instrumento eficaz no combate ao traáfico, como de resto o é para os próprios traficantes. Todos os meios devem ser utilizados para desmascarar e desmantelar a cadeia internacional do crime organizado em todas as suas ramificações. A informação atualizada e permanente pode figurar como um verdadeiro antivírus, uma vacina contra a possibilidade de cair na ratoeira do tráfico, não raro um caminho sem retorno. Semelhante rede, como bem sabemos, concentra um duplo caráter de risco: encontra-se ramificada em praticamente todo o mundo e não respeita códigos de conduta, ou pior ainda, segue rigorosamente o princípio radical da eliminação de “arquivos”.

Tokyo, Japão, 13 de fevereiro de 2014


Nenhum comentário:

Postar um comentário