Mais notícias

terça-feira, 17 de junho de 2014

Caminhada na Esplanada dos Ministérios recorda vítimas do Tráfico Humano


ESCRITO POR CRB COMUNICAÇÃO LIGADO . PUBLICADO EM DESTAQUE


Por Jaime C. Patias 12.06.14. Alertar a sociedade sobre o Tráfico Humano e propor ações para o seu enfrentamento faz parte da missão da Igreja. É o que acredita a Conferência dos Religiosos do Brasil (CRB), que na noite desta quarta, 11 de junho, promoveu em Brasília (DF), uma Caminhada para recordar as vítimas desse crime que, somente em 2012, afetou mais de 20 milhões de pessoas em todo o mundo.
Munidos de faixas, bandeiras, lanternas e flores, cerca de 500 pessoas se concentraram em frente ao Museu Nacional e caminharam pela Esplanada dos Ministérios até o Congresso Nacional. A capital federal, toda iluminada com as cores do Brasil, por ocasião da Copa do Mundo, recebeu um recado vindo não só dos manifestantes, mas de um grupo de crianças. À frente, elas brincavam com bolas de futebol para pedir, na véspera da abertura do Mundial, esporte justo e livre do Tráfico.

“Grite a favor da vida, jogue pela vida porque nós queremos que nossos jovens, famílias e crianças sejam respeitadas”, disse Irmã Maria Inês Vieira Ribeiro, presidente nacional da CRB, ao acolher os participantes. “É uma Caminhada de fé, de esperança e indignação com aquilo que acontece com os seres humanos ao serem traficados como mercadoria. Nós não queremos isso para a nossa sociedade. Queremos um Brasil mais justo, um Brasil humano que não trafique pessoas”, defendeu a religiosa. A CRB Nacional abraçou a Campanha “Jogue a favor da Vida – denuncie o Tráfico de Pessoas”, lançada pela Rede Um Grito pela Vida que vem realizando ações de conscientização em todo o país.
Assista a Reportagem sobre a Caminhada

Comovente foi o depoimento do Sr. João José Felipe, residente em Goiânia, ao relatar o drama do desaparecimento de sua filha, Simone Borges Felipe (25), traficada e morta há 19 anos. “Estou aqui pela dignidade humana e por um país melhor. Há 19 anos estou lutando e sempre encontrei muito apoio de instituições e autoridades para tirar esta impureza do mundo”.

O Tráfico Humano é um crime organizado, vinculado a interesses poderosíssimos. Seu João José contou que sua filha trabalhava no comércio de roupas em Goiânia quando foi levada para a Espanha com a promessa de um emprego melhor. Lá foi obrigada a se prostituir e usar drogas. Ela denunciou a sua situação e por isso foi envenenada vindo a falecer. Na época, mais de 40 meninas estavam na mesma situação. Com a ajuda da Polícia Federal conseguiu resgatá-las. “É uma luta de caridade, de carinho. A cada passo que nós damos nesse sentido, eu tenho certeza que Deus está presente. Como pode um ser humano vender o seu semelhando para ganhar dinheiro?” questionou emocionado.
Além da presidente nacional da CRB, participaram também o responsável pela Campanha da Fraternidade na arquidiocese de Brasília, padre George Tajra, assessores da CNBB para a Pastoral Social, Vocacional, Missão e Mobilidade Humana, representantes das Pontifícias Obras Missionárias (POM), Centro Cultural Missionário (CCM), Conselho Nacional do Laicato no Brasil (CNLB), Rede Um Grito pela Vida da CRB Regional de Brasília e Conselho Indigenista Missionário (CIMI).

O arcebispo de Palmas (TO) e presidente da Comissão para os Ministérios Ordenados e Vida Consagrada, dom Pedro Brito Guimarães, representou a CNBB. “A minha palavra é de incentivo aos religiosos e religiosas, todos os que assumimos esta missão de cuidar da vida e defender as pessoas como fez Jesus”. O bispo disse ainda que, sensível a essa questão, a presidência da CNBB estava unida à Caminhada. Em seguida, falou da necessidade de unir forças com outras instituições e órgãos públicos. Em clima de Copa do Mundo, “espero que as pessoas se divirtam e que tenham os seus direitos respeitados. Que ninguém seja traficado ou explorado na sua dignidade. Buscamos na Palavra de Deus, na fé cristã e na Doutrina Social da Igreja a motivação para estarmos aqui e denunciar toda forma de jogo contra a vida e o Tráfico de Pessoas”.

Dom Philip Dickmans, bispo de Miracema (TO) e dom Roque Paloschi, bispo de Roraima encontravam-se em Brasília na reunião do Conselho Permanente da CNBB e também seguiram a marcha. “Percebemos que hoje temos de trabalhar em rede, senão não seremos capazes de fazer o mínimo diante dessa realidade do Tráfico Humano, da exploração sexual, do trabalho escravo e do comércio de órgãos”, afirmou dom Roque, para quem, o trabalho em rede, “facilita e cria parceria onde vamos ter força para enfrentar o poder do dinheiro, das armas e, sobretudo, a força dos que transitam nesse meio”.

Roraima vive uma realidade de fronteira onde existem rotas de tráfico, um desafio para a Igreja. “Diante dessa realidade não podemos ficar indiferentes. Precisamos fazer alguma coisa. Isso se faz em parceria com organismos e, sobretudo, em profunda aliança com as comunidades dos pobres, independente da confissão religiosa. É preciso assumir uma postura corajosa”, reforçou.

A Caminhada reuniu também lideranças do exterior a exemplo dos jovens universitários americanos, Jeremias de la Cruz e Karin Miranda, que fazem um estágio no Centro Scalabriniano de Estudos Migratórios em Brasília. “Esta ação é importante porque a Igreja católica tem que proteger a dignidade humana e os grupos que estão aqui têm a missão de preservar a liberdade e promover os direitos humanos”, destacou Jeremias. Para Karin, tanto no Brasil como nos Estados Unidos o tema do Tráfico de Pessoas é muito sério. “Uma maneira de saber mais sobre esse problema é fazer ações como esta. É importante mostrar que nós podemos fazer a diferença”.

A delegação da Ação Episcopal Adveniat, organismo da Igreja católica na Alemanha e a atriz alemã Eva Habermann, no Brasil para divulgar a Campanha Steilpass - para uma sociedade mais justa e equitativa', foram outra presença estrangeira. “Esta é uma boa oportunidade para mostrar ao mundo o que acontece e chamar a atenção para os problemas do Brasil”, defendeu Eva Habermann. A Campanha Steilpass - jogo justo - pretende evidenciar injustiças sociais e contribuir para uma sociedade mais fraterna. “Acho muito triste ver um país que ama o futebol preocupado porque a Copa do Mundo foi decidida arbitrariamente. Esta é a Copa mais cara de todos os tempos feita com dinheiro que poderia ser usado para outras coisas. É importante se manifestar também contra a prostituição e outros abusos do ser humano. Estou aqui pelo povo e seus direitos”, finalizou a atriz.

Irmã Valéria Maria da Silva trabalha em Nova Iguaçu (RJ) e nestes dias, frequenta um curso de formação missionária no Centro Cultural Missionário (CCM). Ela caminhou em companhia de outros 20 colegas do curso. “Acho importante a presença da Vida Religiosa no meio das pessoas marginalizadas e machucadas na sua dignidade. Precisamos ser sinal de esperança para essas pessoas e ajudá-las a ter uma nova vida”.

Um grupo da Juventude Missionária (JM) ligado às POM, também marcou presença para mostrar solidariedade com o causa. Felipe Custódio dos Santos (20), residente no Gama (DF) explicou que o grupo veio do entorno de Brasília para recordar os jovens traficados. “Eles poderiam estar aqui conosco hoje”, disse. “Caminhamos para lembrar esses jovens e crianças. Para a Juventude Missionária esta causa é mais do que uma missão, é um dever”, acredita ele.

O Tráfico de Pessoas está em toda a parte e não poupa nem mesmo os Povos Indígenas. Segundo o secretário Executivo do Conselho Indigenista Missionário (Cimi), Cléber Buzatto, no Brasil, “milhares de indígenas vivem essa triste realidade, especialmente nos casos de migrações forçadas”. Nesse aspecto, duas situações ganham destaque: “os que migram porque são expulsos de suas terras e as migrações forçadas devido aos grandes empreendimentos que vem sendo construídos em diversas regiões do país, em especial na região Amazônica”. Segundo ele é importante unir forças com os povos “para combater essa prática tão deplorável”.

A ação terminou no gramado do Senado onde as flores foram depositadas formando uma cruz. Em círculo ao redor dela representantes dos vários organismos fizeram orações onde recordaram algumas realidades do enfrentamento do Tráfico de Pessoas. Ao lado da cruz, de joelhos, seu José João rezou em silêncio. Dom Philip Dickmans acompanhou o gesto enquanto dom Pedro Brito conduziu a oração do Pai Nosso e a bênção das flores. O evento foi mais um grito pela vida e um cartão vermelho para quem desrespeitar o seu semelhante.
Fonte:POM
http://www.crbnacional.org.br/site/index.php/noticias/destaque/1289-caminhada-na-esplanada-dos-ministerios-recorda-vitimas-do-trafico-humano

Nenhum comentário:

Postar um comentário